Senhor, ajude-nos a cairmos sempre prostrados aos seus pés em sinal de constrangimento, submissão e amor!



quinta-feira, 4 de abril de 2013

A audácia do homem


Audácia é um termo usado para descrever uma pessoa corajosa, sonhadora e utópica, desde que lute para fazer desse sonho e utopia algo possível.

Nesse sentido, é salutar que sejamos audaciosos em todos os nossos projetos.  Uma vida sem audácia é uma maneira simplória de se viver; uma vida sem emoção, quase sem sentido.  Nossa geração precisa ser brindada por pessoas mais audaciosas, mais lutadoras.  Ao observarmos a história, somos levados a acreditar que a razão por que ainda estamos "engatinhando" em determinadas áreas é, exatamente, porque falta-nos um pouco mais de audácia.  Até mesmo na questão do relacionamento com Deus!  Jesus mesmo disse que nós faríamos muitos milagres em Seu nome, no entanto, os milagres que no passado era normais, hoje é milagre acontecer um milagre.  

É sabido que se trata de mais um paradoxo, mas é a pura verdade, há uma necessidade mais que urgente de um relacionamento mais estreito com Deus; um relacionamento semelhante aos dos puritanos dos séculos XVI e XVII.  Tem sido minha luta diária e minha oração intermitente a busca por um relacionamento mais audacioso com o Senhor dos senhores.

No entanto, audácia também pode ser um termo usado para descrever uma pessoa que tem coragem de fazer o que não é salutar.  É a audácia usada para fins não recomendáveis.   Confesso que isso tem me intrigado muito, pois cresce o número de pessoas que se deixam levar por tais comportamentos; pessoas que não medem as consequências; são, no mínimo, levianas, inconsequentes e insanas.  Pessoas que pensam ter direitos sobre seus semelhantes; suas atitudes impensadas levam até mesmo a morte de outras pessoas (caso do jovem que agrediu fisicamente o motorista do ônibus no viaduto que liga à Ilha do Governador, deixando 7 vítimas fatais no local).

Nossa geração cristã clama por Deus para que esse espírito seja repreendido e menos pessoas adiram a esse comportamento que chega à linha divisória da atuação humana e demoníaca.  Há líderes que, em nome da audácia, sufocam ministérios, matam novas promessas e destroem jovens promissores.  São pessoas que,  em nome da audácia, se julgam melhores do que seus semelhantes; julgam ter um relacionamento tão íntimo de Deus que o próprio Deus o capacita a humilhar, denegrir, sufocar e destruir outras pessoas que estão trabalhando no exercício do ministério e da vocação.

Percebe-se novas lideranças sendo maltratadas por pessoas que se julgam audaciosas.  Meu Deus! Quanta infantilidade espiritual!  Quanta ação neófita!  

Tais comportamentos são consequências de uma atitude interna que só tende a piorar.  Não vejo, com toda sinceridade, um fim bom, promissor e fecundo; muito pelo contrário, percebo ações rasteiras, inconsequentes e levianas que os levarão a uma vida mesquinha e medíocre.

Que o Senhor nos livre de tais comportamentos.  Que nossa busca pela audácia seja no sentido do crescimento pela submissão ao poder de Deus e da relação estritamente respeitosa com nosso semelhante.

Soli Deo Gloria!

É isso.

Um comentário:

António Jesus Batalha disse...

Estou alegre por encontrar blogs como o seu, ao ler algumas coisas,
reparei que tem aqui um bom blog, feito com carinho,
Posso dizer que gostei do que li e desde já quero dar-lhe os parabéns,
decerto que virei aqui mais vezes.
Sou António Batalha.
Que lhe deseja muitas felicidade e saúde em toda a sua casa.
PS.Se desejar visite O Peregrino E Servo, e se o desejar
siga, mas só se gostar, eu vou retribuir seguindo também o seu.